Acesse as melhores dicas
e informações do mercado
carteira trabalho Cidades - Postada em: 26/01/2018

A importância do trabalho na vida do jovem

* Milton Bigucci

 

Os jovens devem comandar o mundo. Aliados às experiências dos mais velhos fazem uma dupla perfeita e dinâmica. Sou um fanático pelo trabalho. Sempre fui. Todo cidadão, incluindo o adolescente, deve trabalhar. O trabalho e o estudo são básicos para o sucesso dele e do país. Por isso prego que o jovem deve trabalhar a partir dos 14 anos de idade ou um pouco menos, em trabalhos compatíveis.

O trabalho molda o caráter, cria o respeito ao próximo e às normas sociais. O trabalho ensina para a vida o relacionamento e o crescimento social.

Com certeza o jovem não perderá a sua juventude, pelo contrário, terá mais disposição para se divertir, passear, praticar esportes, dançar, namorar, com muito mais amor e entusiasmo. O trabalho e o estudo alimentam a garra e o relacionamento.

Comecei a trabalhar com 11 anos de idade, desde 12 de janeiro de 1953 (fez 65 anos) como auxiliar de balconista de uma loja de ferragens e material de construção no bairro do Ipiranga – capital SP. Por necessidade, para poder estudar. Não me arrependo. Pelo contrário, sou muito grato aos meus pais, trabalhadores braçais e humildes, por terem trilhado o caminho do bem, da moral e da ética, que só me valorizou e dos quais me orgulho.

Primeiro registro de Milton Bigucci em sua carteira de trabalho, há 65 anos, quando tinha apenas 11 anos de idade
Primeiro registro de Milton Bigucci em sua carteira de trabalho, há 65 anos, quando tinha apenas 11 anos de idade

 

Criei meus filhos ao lado de minha esposa e meus sobrinhos ao lado de minha irmã, da mesma forma. Desde cedo sempre no trabalho e no estudo. Deu no que deu. Todos são homens e mulheres bons e vencedores, formados em uma ou duas faculdades cada um, responsáveis e que comandam a MBigucci e suas famílias com sucesso. Meus netos estão vindo pelo mesmo caminho, seguindo a mesma cartilha, graças a Deus. Esta regra, lastreada no trabalho e no estudo, serve também para nossos parentes, amigos, nossos colaboradores da empresa ou seus filhos.

O trabalho ensina o jovem a dar valor às coisas e ao próximo.

Lembro como se fosse hoje quando os meus filhos com 7 anos de idade, subiam comigo no telhado na nossa casa para limpar as calhas, ou colocavam comida para o Atlas, nosso cão Fila Brasileiro, que era maior que eles. Colocavam e saiam correndo de medo. Depois todos foram office boys/ girl na MBigucci. Aprenderam a trabalhar cedo.

Não acredito em vencer sem produzir ou trabalhar. Por esse motivo todos têm de começar cedo. O trabalho não mata ninguém, pelo contrário, valoriza a vida. Comparem duas pessoas, uma que trabalha e outra não e veja a diferença, a importância e os valores. A que não trabalha ou recebe tudo de mão beijada, só reclama.

Recentemente o Ministério do Trabalho divulgou os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), destacando maior inserção dos jovens no mercado formal de trabalho. No primeiro semestre de 2017, segundo o levantamento, 260,7 mil trabalhadores jovens entraram no mercado de trabalho, ocupando funções nas indústrias, comércios e serviços. Somente no mês de junho/2017, o saldo de abertura de vagas ficou em 10,4 mil postos para jovens até 17 anos; 55,9 mil para jovens de 18 a 24 anos e 2,2 mil para pessoas entre 25 a 29 anos. Segundo o Ministério do Trabalho, a construção civil é um dos  setores responsáveis pela grande absorção destes jovens.  Ainda há muito a percorrer, mas estamos no caminho.

Um país ou o seu povo progridem pelo trabalho, respeito às leis e às pessoas. É a melhor religião.

 

Milton Bigucci, presidente da construtora e incorporadora MBigucci
Milton Bigucci, presidente da construtora e incorporadora MBigucci

Milton Bigucci é presidente da construtora MBigucci, presidente do Conselho Deliberativo da Associação dos Construtores do Grande ABC, membro do Conselho Consultivo Nato do Secovi-SP e do Conselho Industrial do CIESP, conselheiro vitalício da Associação Comercial de São Paulo e conselheiro nato do Clube Atlético Ypiranga (CAY). Autor dos livros “Caminhos para o Desenvolvimento”, “Somos Todos Responsáveis – Crônicas de um Brasil Carente”, “Construindo uma Sociedade mais Justa”, “Em Busca da Justiça Social”, “50 anos na Construção” e “7 Décadas de Futebol”, e membro da Academia de Letras da Grande São Paulo, cadeira nº 5.

 

Informações: www.mbigucci.com.br