Acesse as melhores dicas
e informações do mercado
O público feminino lidera as procuras de imóveis no portal Properati, com 65% das buscas. De cada 10 mulheres que acessam o site, 4 utilizam um smartphone para realizar as pesquisas. Segundo o estudo, as usuárias procuram mais casas e preferem mais alugar do que comprar Offices - Postada em: 14/02/2020

Cresce número de mulheres investidoras em fundos imobiliários

Com maior rendimento diante da economia atual, os FIIs são a escolha delas para investimentos

As mulheres estão cada vez mais preocupadas em como guardar dinheiro e ter o melhor rendimento. Já se foi o tempo em que, quando tratamos sobre investimentos, a imagem que muitas pessoas criam na cabeça é a de um homem com terno, gravata e uma maleta nas mãos. Apesar do número de homens investidores ser maior, as mulheres estão ganhando mais espaço num universo, que antes era tido como apenas masculino. O último relatório da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), divulgado ano passado, mostra que o número de mulheres investidoras mais do que dobrou entre 2018 e 2019. Em 2018, eram 179 mil, já no ano passado, elas chegaram a 388 mil. Um aumento de aproximadamente 218% de um período para outro. Esse número é o maior apurado desde 2002, quando foi feito o primeiro levantamento com o perfil de quem investe pela B3.

Mais do que a Bolsa, as mulheres estão de olho em novas opções de investimento – e mais rentáveis são as mais procuradas. “No último ano, pudemos ver pelos dados divulgados pela B3 e pelo Banco Central, que quem investiu em IFIX teve mais retorno, se comparado com quem optou por investir na poupança, no IPCA, na Ibovespa”, afirma Giovanna Dutra, COO da TG Core, especializada em fundos imobiliários, ou os chamados FIIs.

A melhora da economia e os juros baixos conseguem explicar tal cenário. Os FIIs fecharam 2019 com a maior captação da série histórica: R﹩35,77 bilhões, de acordo com os números da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). “Se há 18 anos, apenas 15 mil mulheres investiam, hoje com a maior facilidade em obter informações sobre o mercado financeiro, esse número tende a crescer cada vez mais”, diz Giovanna.

A TG Core, desde 2018, acompanha o número de mulheres investidoras em seu fundo TGAR11. Como demonstra o gráfico acima, houve um expressivo crescimento. “Os dados alocados foram compilados ao final de cada mês para fazermos a comparação em relação ao mês anterior. A variação sempre foi positiva desde o início da série histórica. Elas estão cada vez mais seguras para investir seu dinheiro em renda variável e produtos diversificados, sendo fundos imobiliários um deles, é uma tendência do mercado”, finaliza a diretora.

Informações: www.tgcore.com.br