Acesse as melhores dicas
e informações do mercado
mercado precos financiamentos0 Mercado - Postada em: 12/07/2019

Mercado de imóveis novos em SP mantém ritmo de crescimento em maio

Na cidade, vendas cresceram 43,7% em relação a um ano. Lançamentos foram 50,7% maiores

 

O ano de 2019 tem sido positivo para construtoras e incorporadoras. A Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), aponta que a capital paulista apurou em maio a venda de 3,1 mil imóveis residenciais novos, um incremento de 22,0% sobre abril e progressão de 43,7% sobre o mesmo mês do ano passado.

Com o resultado, as comercializações acumularam em 12 meses até maio 32.642 unidades negociadas, uma elevação de 19,5% sobre o mesmo período precedente (até maio de 2018).

Em termos financeiros, o setor movimentou um VGV (valor geral de vendas) total de R$ 1.546,6 milhão, um crescimento de 43,8% sobre abril e 27,5% superior a um ano antes, conforme valores atualizados pelo INCC-DI (Índice Nacional de Custo da Construção) de maio de 2019.

Indicador que mede a velocidade de vendas, o VSO (vendas sobre ofertas) foi de 13,2%, performance que ultrapassou abril (10,7%) e um ano antes (11,0%). O VSO de 12 meses alcançou 56,7%, superando o intervalo antecedente (até maio de 2018), com 7,5%.

Lançamentos

Dados da a Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio) apontam que foram lançados em São Paulo 2.594 imóveis residenciais, acréscimo de 50,7% sobre um ano antes e saldo 17,3% abaixo de abril.

Em 12 meses, houve aumento de 32,0%, para um acumulado de 40.514 unidades.

Ofertas

A capital paulista encerrou o mês de maio com a oferta de 20.303 imóveis novos disponíveis para venda, uma regressão de 4,0% ante abril e salto de 16,5% sobre um ano antes. A disponibilidade é composta por unidades na planta, em construção e prontos (estoque), lançados nos últimos 36 meses.

Se a etapa analisada for ampliada para 48 meses até maio, a oferta de imóveis acumula 22.005 unidades, volume 8,4% superior à oferta de 36 meses.

Destaques

A análise por zonas da cidade demonstra que, em maio, a região sul liderou em vendas (928 unidades) e o maior VSO (16,9%). A zona Leste registrou a maior quantidade de lançamentos (933 unidades) e a maior oferta disponível (5.537 unidades). A zona Oeste liderou em termos de valores com (R$ 528,4 milhões).

Os imóveis de 2 dormitórios destacaram-se em quase todos os indicadores registrando maior volume de vendas (1.996 unidades), lançamentos (1.293 unidades), imóveis ofertados (12.296 unidades) e maior VGV (R$ 726,6 milhões). Os imóveis de 1 dormitório apresentaram o melhor desempenho de vendas, com VSO de 15,8%, resultado de 671 unidades comercializadas em relação às 4.242 unidades ofertadas e lançadas no mês.

Imóveis com menos de 45m² de área útil destacaram-se em todos os indicadores: vendas (1.773 unidades), lançamentos(1.010 unidades), imóveis ofertados(9.824 unidades), VSO de 15,3% e o maior VGV (R$ 562,8 milhões).

Preços

Por faixa de preço, os imóveis com valor de até R$ 240 mil lideraram em quase todos os indicadores: vendas (1.322 unidades), oferta final (7.202 unidades) e maior VSO (15,5%). Os lançamentos de imóveis com preços entre R$ 500 mil e R$ 900 mil destacaram-se com 890 unidades.

O valor do tíquete nem sempre é o único critério para determinar se um imóvel pode ser classificado como econômico, porque a relação entre os preços e as áreas dos apartamentos compactos pode fazer com que não se enquadrem como um produto econômico.

Para segmentar os imóveis econômicos, o estudo considerou as faixas de preço enquadradas no programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e os limites de preço do m² de área útil, com um limite de aproximadamente R$ 5.500,00, conforme a data e a cidade de lançamento do empreendimento.

O levantamento apurou 1.101 unidades vendidas e 431 unidades lançadas no mês enquadradas como imóveis econômicos. A oferta totalizou 5.755 unidades disponíveis para venda e o VSO foi de 16,1%. Nos outros segmentos de mercado, a pesquisa identificou 1.999 unidades vendidas, 2.163 unidades lançadas, oferta final de 14.548 unidades e VSO de 12,1%.

Conclusão

Com 2.594 unidades residenciais lançadas e 3.100 imóveis vendidos, maio de 2019 registrou os melhores resultados dos últimos seis anos para o mês. Na comparação com os lançamentos (1.721 unidades) e as vendas (2.158 unidades) do mesmo mês do ano passado, houve crescimento de 50,7% e 43,7%, respectivamente.

No acumulado de janeiro a maio, as vendas contabilizaram 12.426 unidades, um crescimento de 27,9% em comparação com o mesmo período do ano de 2018 (9.713 unidades). E os lançamentos totalizaram 8.967 unidades, alta de 60,8% comparado ao mesmo período do ano anterior (5.577 unidades).

O destaque foi do segmento econômico, com um total lançado de janeiro a maio de 2.173 unidades, correspondendo a um aumento de 20,5% em relação ao resultado do mesmo período do ano anterior (1.803 unidades). As vendas do acumulado totalizaram 4.721 unidades, um aumento de 21,5% em relação ao mesmo período do ano anterior (3.885 unidades). “Em toda série deste ano, as vendas superaram a comercialização em relação ao ano anterior”, ressalta Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

“Apesar do bom desempenho do mercado imobiliário, ainda preocupa a falta de calibragem na Lei de Zoneamento da cidade de São Paulo, que será primordial para a manutenção dos futuros lançamentos”, afirma Emilio Kallas, presidente em exercício do sindicato.

O dirigente lembra que outro ajuste importante e necessário para possibilitar condições favoráveis de crescimento e desenvolvimento econômico do País é a aprovação da Nova Previdência.

“Dessa forma, teremos o tão necessário equilíbrio das contas públicas, capaz de atrair mais investimentos para o setor produtivo”, completa Kallas. Um grande avanço, segundo ele, já foi obtido com a aprovação do texto-base na Comissão Especial da Câmara dos Deputados na semana passada.

Informações: www.secovi.com.br