Acesse as melhores dicas
e informações do mercado
mercado aluguel Mercado - Postada em: 28/08/2019

Novas locações evoluíram 11,59% em junho no estado

Resultado foi o melhor do ano e puxou alta de 16,44% no acumulado do 1º semestre do ano

As contratações de novas locações residenciais continuam em alta no estado de São Paulo. Em junho, o segmento registrou alta de 11,59% sobre maio. Esse foi o melhor resultado do ano, superando até janeiro (+11,16%). É o que aponta um novo levantamento do Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), com números compilados de 904 imobiliárias espalhadas por 37 cidades paulistas.

Com o desempenho, as contratações de aluguel acumularam no primeiro semestre um acréscimo de 16,44%.

Casas e apartamentos com aluguel mensal de até R$ 1 mil dominaram o mercado de locação residencial em junho no estado, com 52,11% de participação no total de novas locações contratadas.

Os novos inquilinos conseguiram em junho descontos médios sobre os valores de aluguéis inicialmente pedidos pelos proprietários de 11,18% em imóveis situados em bairros de periferia, de 10,55% em bairros de regiões centrais e de 10,37% para aqueles localizados em regiões nobres.

Os bairros mais centrais, por sinal, foram os preferidos dos novos inquilinos, com 74,67% das novas locações. O restante ficou dividido entre os bairros periféricos (18,61%) e os de áreas nobres (6,72%).

O crescimento de 11,59% no número de novas locações em junho comparado a maio se deveu aos bons resultados registrados no Interior (+ 24,01%) e na Grande SP (+ 32,89%). Na Capital, houve queda de – 5,82%, que chegou a – 0,09% no Litoral.

As imobiliárias pesquisadas alugaram 53,52% do total em casas e 46,48% em apartamentos. Foram devolvidas casas e apartamentos que estavam alugados por essas imobiliárias, com os inquilinos alegando motivos financeiros (46,46%) ou mudança de endereço, entre outros (53,52%).

A inadimplência no perído atingiu 5,06% dos contratos em vigor nas 904 imobiliárias pesquisadas, índice 2,93% inferior ao de maio, que foi de 5,21%.

Informações: www.crecisp.gov.br