Acesse as melhores dicas
e informações do mercado
quanto mais rápida é realizada a cobrança, maior o êxito. Enviar e-mail ou um telefonema logo nos primeiros dias de atraso e, se for o caso, ingressar com a ação judicial são medidas eficazes Top Lists - Postada em: 19/06/2017

Oito dicas de economia doméstica para melhorar as finanças

O descontrole com as contas do dia a dia pode se tornar um vilão na hora de fechar o mês no azul. Pequenas mudanças podem ajudar a dominar os gastos

 

O dia a dia é tão corrido que muitos brasileiros mal reparam em tudo o que fazem e o quanto gastam em um dia comum. Muitas vezes, o probelma é que são pequenas atitudes, hábitos corriqueiros e detalhes simples que fazem toda a diferença na hora de fechar a conta e equilibrar o orçamento.

Várias pessoas vivem a impressão de que o salário parece ter encurtado e passam os últimos dias do mês no sufoco. Porém, é necessário reparar bem nos hábitos de compra e na rotina em casa, como recomendam economistas.

Para auxiliar no controle de gastos e melhorar as finanças, especialistas aconselham oito dicas básicas de economia doméstica. Confira:

1) Locomova-se com consciência

Pare e pense em quanto gasta para se locomover. Se as despesas com o automóvel serem maiores, procure anotar os gastos com combustível, prestação caso o veículo não esteja quitado e o seguro.

Usando o carro ou outros meios de locomoção, o importante é saber que, prestando mais atenção na rotina, é possível economizar com mais consciência. No casso do carro, por exemplo, o estacionamento custará R$25. Veja se há outra opção mais barata para chegar ao destino desejado. Muitas vezes, é preciso levar um leque de opções que inclui metrô, ônibus, bicicleta e até uma bela caminhada em consideração.

Lembre-se que existem diversas formas de locomoção. Com consciência e organização, é possível economizar bastante. “Caminhar pequenas distâncias e comprar passes de transporte para períodos mais longos podem ser boas opções para o dia a dia”, aconselha Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

2) Faça comida em casa

Use a mesma lógica do transporte na hora de descobrir quanto gasta para comer. Levar comida de casa para o trabalho proporciona mais economia. Se receber mensalmente tíquetes-refeição, faça uma análise.

Apesar de ser mais barato, cozinhar gera custos adicionais no supermercado. Leve em conta esses gastos extras para elaborar a refeição e fazer as comparações.

3) Gaste menos com pet

Para quem tem um animal de estimação, saiba que tem custos, como banho, veterinário, caminha e brinquedos. A boa notícia é que cortar os custos com o bichinho é mais fácil do que se imagina. Comece repensando os hábitos e quanto é gasto com supérfluos para o pet.

4) Pesquise preços e pechinche

É importante pesquisar tudo antes de gastar dinheiro. Por exemplo, se for comprar uma roupa é fundamental olhar na internet, comparar preços, avaliar a qualidade das escolhas e, se possível, perguntar para quem já usou a marca. Afinal, quando se compra algo de qualidade a peça dura muito mais, o que gera economia de uma maneira ou de outra.

Se for comprar um celular ou, até, um carro, a pesquisa precisa ser ainda mais detalhada e pode demorar um pouco mais. Tenha paciência e mantenha os olhos bem abertos.

Para completar, saiba pechinchar. O segredo do bom pechinchador é simples – não ter vergonha e, se possível, comprar à vista porque os descontos costumam ser maiores. “Mas nada impede que você tente descontos em compras à prazo também”, aconselha Marcela.

5) Corte gastos, sem deixar o bem-estar de lado

É simples. Pense em tudo que gosta de fazer para seu bem-estar e avalie substituições inteligentes.

Considere exercícios físicos, cinema, passeios pela cidade e até gastos com salão de beleza. A maioria das opções tem alternativas bastante apreciáveis e baratas. Mude seus hábitos e tente fazer substituições. Investir em marcas próprias, no mercado, por exemplo, pode ser uma ótima alternativa para economizar. Algumas marcas Com um pouco de esforço você verá que economizar é mais fácil do que você imagina.

6) Lazer também é caro

Além do bem-estar, é preciso lembrar que se divertir não inclui apenas aquela viagem que se demora um tempão para programar. Cinema, museu, parques e outros tipos de diversão familiares encarecem o mês. Então, que tal pensar em alternativas mais em conta?

Analise como preenche as horas de lazer. Cinema pode ser trocado por bons filmes em casa. Museus, dependendo do dia da semana, saem mais em conta. Além disso, com certeza a cidade oferece opções grátis para toda família se divertir. O importante é ter disposição e se programar bem.

7) Repare nos pequenos gastos

Um cafezinho tomado todo dia pode custar caro. Junto ao café, inclua os almoços em restaurantes caros, o estacionamento do shopping, as compras na padaria. Se começar a reparar nas ações verá que gasta muito mais do que precisa. Uma compra simples na padaria, muitas vezes, sai o dobro da mesma compra no mercado.

Além disso, ao entrar na padaria, a maioria das pessoas acaba gastando com outras guloseimas e comidinhas que não estavam na programação. Ou seja, é preciso prestar atenção nos hábitos do dia a dia e checar se não são eles que “encarecem o mês”.

8) Anote tudo

Por fim, para ajudar a prestar mais atenção no dia a dia, utilize ferramentas como aplicativos que analisam os gastos e o Simulador Diagnóstico Financeiro do site Meu Bolso Feliz, por exemplo. As soluções auxiliam na organização de todas as despesas. Anotando tudo, ficará muito mais fácil ter o controle dos gastos e será possível fazer uma melhor gestão das finanças.

 

Informações: http://meubolsofeliz.com.br