Acesse as melhores dicas
e informações do mercado
A intenção de compra de imóveis dos 65% de consumidores é dividida em usados (42%) e lançamentos (23%), sendo o tempo médio de efetivação da compra em até 6 meses, ou seja, ainda em 2017. Foto, Luciano Emiliano Offices - Postada em: 31/10/2017

SP tem retomada de demanda por galpões logísticos no 3º tri

Mercado paulista deverá concluir o ano em um bom patamar de absorção líquida e vacância em baixa

 

O desempenho positivo marcou o terceiro trimestre do mercado imobiliário paulista no segmento de condomínios logísticos e industriais. no período, a robusta absorção líquida (diferença entre ocupações e devoluções) de e 122 mil m2 contribuiu para elevar ainda mais o número acumulado do ano – 238 mil m2. Os dados são da consultoria anglo-americana Newmark Grubb Brasil.

Todas as regiões pesquisadas registraram absorção líquida positiva, com destaque para as regiões da Dutra-Ayrton Senna, Anchieta-Imigrantes e Castelo Branco, que apresentaram os volumes mais significativos.

O novo estoque entregue acumulado no ano chegou a 252 mil m2 e representou cerca de 3% no aumento do estoque existente em São Paulo. Há mais 131 mil m2 em construção, que deverão ficar prontos no próximo ano, já que historicamente há um volume considerável desses empreendimentos que são postergados para o ano seguinte.

Vacância

Indicador que calcula a quantidade de espaços vagos em relação ao total de m2 úteis de espaço, a taxa de vacância diminuiu 2 pontos percentuais (pps) no terceiro trimestre ante os três meses anteriores, concluindo o intervalo em 28,4%. A consultoria atribuiu a redução à não entrega de novos projetos entre julho e setembro, aliado à boa movimentação da demanda.

A região Castelo Branco, é a que apresenta maior percentual de vacância, juntamente com Raposo Tavares e Dutra-Ayrton Senna. Houve queda da taxa de vacância em todas as regiões pesquisadas, sendo as mais significativas encontradas na região da AnchietaImigrantes e Dutra-Ayrton Senna, devido ao alto volume de absorção líquida nelas registrado.

Locação

O preço pedido médio fechou em queda de 2,5% em relação ao trimestre passado, fechando o terceiro trimestre em R$ 19,20/m2/mês, o que pode impulsionar ainda mais a movimentação da demanda nos próximos meses.

A maior amplitude entre os preços pedidos é observada nos eixos Anhanguera-Bandeirantes e Castelo Branco devido à maior diversidade da qualidade de estoque existente.

 

Informações: www.newmarkgrubb.com.br

Foto por Luciano Emiliano